Coleção Biblioteca da Censura

04-05-2022 | 18:00

Biblioteca Nacional

Com ÁLVARO SEIÇA.

A coleção “Biblioteca da Censura” que agora se apresenta, publicada pelo Público e A Bela e o Monstro, abrange 25 volumes recuperados da biblioteca-arquivo dos Serviços de Censura da ditadura, que sairão em fac-símile entre 25 de Abril de 2022 e 25 de Abril de 2024, ao ritmo de um livro por mês, para comemorar os 50 anos da revolução.
Iniciativa: A Bela e o Monstro Edições.

A JANELA chega à escola

4 > 31 de maio

Escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico

AUTORIA: SARA AMADO, CATARINA REQUEIJO, MARIA REMÉDIO, MIGUEL FRAGATA

Pelos dias do festival, chega às 84 escolas de 1.º Ciclo do Ensino Básico da cidade de Lisboa a biblioteca de A JANELA, um projeto de educação para a cidadania a partir do álbum ilustrado desenvolvido por Sara Amado, Catarina Requeijo, Maria Remédio e Miguel Fragata. São 25 livros selecionados, acompanhados de 25 guiões de exploração e de 25 propostas de atividades na área das expressões artísticas.

Para além de chegar à escola, A JANELA vai estar ainda disponível para consulta/venda nas seguintes livrarias parceiras:

Mundos interiores

29 de abril > 5 de maio | 17.30

Biblioteca Camões

DIREÇÃO ARTÍSTICA: ANA BORRALHO&JOÃO GALANTE
DRAMATURGIA: SANDRO WILLIAM JUNQUEIRA

Destinado a estudantes do ensino secundário e superior, esta oficina para os performers de Mundos Interiores propõe a leitura conjunta de excertos de textos de autores que cultivam uma escrita autobiográfica ou que partem de experiências pessoais como motor da sua escrita. A partir de um trabalho diário de corpo, realizam-se exercícios de aquecimento e concentração por forma a pensar a relação público-performer e a predisposição a uma proximidade dos corpos.

Textos: Adília Lopes, Afonso Cruz, Dennis Kelly, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Herta Muller, Isabela Figueiredo, José Maria Vieira Mendes, Manoel de Barros, Ondjaki, Patrícia Portela, Sandro William Junqueira


Inscrições abertas!
Formulário de inscrição aqui.

Informações adicionais:
mundosinteriores.festival5l@gmail.com

Duração | 02:30

Mundos interiores

6 e 7 de maio | 18h00

Museu Nacional de História Natural e da Ciência

DIREÇÃO ARTÍSTICA: ANA BORRALHO&JOÃO GALANTE
DRAMATURGIA: SANDRO WILLIAM JUNQUEIRA

Mundos Interiores é uma performance/instalação que explora a fronteira entre o espetador e a obra através de um convite para escutar os sussurros de um grupo de jovens. Deitados no chão, de olhos fechados e sem movimento evidente, nada aparenta acontecer no exterior. É assim exigida ao público uma aproximação, um avanço sobre a intimidade dos corpos, para que se dê uma partilha deste mundo interior. Nessa intimidade somos intercetados por textos literários, as palavras de diversos autores contemporâneos são-nos sussurradas dentro de uma ténue fronteira íntima. O espetador é convidado a entrar, a circular e a sair conforme a sua vontade.

Performance contínua de 2h.
 

Com a participação de: Ásia Rosa Borralho Galante, Beatriz Carrana Nunes, Beatriz Filipa Antunes Gonçalves, Beatriz Guerreiro, Pedro Madeira Lopes, Joana David, José Bernardino, Marta Jardim, Pedro Russo, Raissa Gillier, Simão Barata.

 

Conceito, direcção artística, espaço cénico e luz Ana Borralho & João Galante
Dramaturgia Sandro William Junqueira
Interpretação Estudantes do Ensino Secundário e do Ensino Superior
Aconselhamento artístico Fernando Ribeiro
Aconselhamento luz Thomas Walgrave
Produção executiva Andrea Sozzi, Joana Flor Duarte
Textos Adília Lopes, Afonso Cruz, Dennis Kelly, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Herta Muller, Isabela Figueiredo, José Maria Vieira Mendes, Manoel de Barros, Ondjaki, Patrícia Portela, Sandro William Junqueira
Parceria casaBranca Associação Cultural

Abrir A JANELA

07-05-2022 | 14:00

Biblioteca de Alcântara

AUTORIA: SARA AMADO, CATARINA REQUEIJO, MARIA REMÉDIO, MIGUEL FRAGATA

 

ABRIR A JANELA é uma sessão de formação para professores de 1.º Ciclo do Ensino Básico oferecida no âmbito do projeto A JANELA, um projeto de educação para a cidadania em torno do livro ilustrado. A sessão é orientada pelos criadores dA JANELA – Sara Amado, Catarina Requeijo, Maria Remédio, Miguel Fragata – e inclui uma apresentação do projeto e dois momentos de laboratório experimental nas áreas da expressão escrita, dramática e plástica. As atividades serão desenvolvidas a partir dos livros e guiões de exploração reunidos e concebidos nA JANELA para trabalho direto com os alunos, dando-se assim a conhecer a metodologia do projeto de uma forma prática.

Inscrições abertas!

Formulário de inscrição

Informações adicionais:
ajanela.festival5l@gmail.pt

Duração | 05:00

No princípio era o verso

07-05-2022 | 21:00

Teatro São Luiz – Sala Luís Miguel Cintra

Com MYNDA’GUEVARA, MAZARIN, GIJOE, TNT, TRISTANY, EU.CLIDES, SILLY e SELMA UAMUSSE.

Na segunda edição, No Princípio Era o Verso prossegue na sua missão de espelhar a riqueza e diversidade da presente geração que não abdica do uso da palavra para comunicar as suas ideias, mensagens, dúvidas e sentimentos.
Selma Uamusse, Mynda Guevara e Silly, cada uma à sua maneira, assumindo origens e reclamando futuros, dão voz a um novo sentir, trazendo África e mundo para dentro das suas músicas, abraçando as traduções e o hip hop, o pulsar do continente que se estende ao sul e a modernidade que daí também emana. E depois, TNT, EU.CLIDES e Tristany pegam nas diferentes nuances das rimas, uns de uma escola mais “velha”, vinda de uma margem a sul, outros de escolas mais “novas”, vindas das novas Lisboas ou das já batidas periferias, para também comunicarem o que significa transformar esta língua que nos une a todos para comunicar, neste tempo e com esta gente.
E atrás deles e delas há ouro: Rafael Correia, dj e produtor de méritos reconhecidos, veterano algarvio ligado à Kimahera, dirige uma “orquestra” de quatro elementos – os Mazarin, valor seguro do nosso novo jazznãojazz: João Spencer no baixo, João Romão na bateria, Léo Vrillaud nos teclados e Vicente Booth na guitarra. Músicos com visão alma e tarimba, vozes com eco, garganta e mensagem.
Combinação que se deseja perfeita, imaginada por Rui Miguel Abreu, agitador, comunicador e ativista com presença de pensamento regular nos media (BLitz, Expresso, Antena 3, rimasebatidas.pt).
No Príncipio Era o Verso. E agora escreve-se uma nova página.


Preço 5€
Receita reverte para a GDA – Gestão dos Direitos dos Artistas

Bilheteira do Teatro São Luiz


Este concerto será antecedido de uma breve atuação do Coro Infanto-juvenil da Universidade de Lisboa.